Pular para o conteúdo principal

Por uma ética planetária

Os seres humanos já viveram sentindo-se movidos por forças que agiam no cosmo conectadas a eles, um espírito que perpassa todas as coisas, dando a percepção de pertença a um todo maior. Tudo, então, na natureza, levava o ser humano a ter uma experiência com o divino, tudo lhe revelava Deus. “Essa era marcou nosso inconsciente coletivo até os dias atuais”. Porém, o ser humano descobriu a força física da matéria e da natureza e desligou-a do ser divino, do espírito que perpassa todas as coisas. A natureza deixou de ser reverenciada como manifestação do divino e passou a ser um objeto para seu uso. A concentração nessa experiência trouxe o secularismo, ou seja, Deus não faz mais parte do mundo, nada mais é sagrado e pode ser explorado e dominado como um objeto sem dignidade. Tal cultura gerou uma ilimitada exploração dos recursos naturais em função da acumulação privada, sem solidariedade social. “Dada a voracidade produtivista e consumista, ultrapassamos os limites de suporte da Terra”.

        
    Entre os seres, o humano é o portador de consciência e inteligência, ele tem a missão de ser o jardineiro e cuidador da vida, um ser, portanto, ético. Por isso, a vida deveria ser o maior projeto deste ser, e não o crescimento do sistema econômico-financeiro. Para levar o projeto de cuidar da vida adiante, precisamos “de uma nova sensibilidade ética, novos valores, outras formas de relacionamento com a natureza e novos padrões de produção e de consumo. Numa palavra, faz-se urgente um novo paradigma de convivência com a natureza”, um modo de viver que dê centralidade à vida. 
Precisamos de uma ética planetária que nasça de cada um, que seja compreendida e realizada por todos, sem imposições. O cuidado com a casa comum deve ser uma iniciativa natural do humano. A vida deve ser amada, cuidada e fortalecida e, quando debilitada, deve ser regenerada. Não se pode fazer da vida uma mercadoria, pois ela é sagrada, é sujeita de dignidade, é portadora de direitos. “Tudo o que existe e vive possui um valor intrínseco, independentemente do uso humano, merece existir e tem o direito de viver”. A Terra participa da mesma dignidade do ser humano, pois todos somos Terra. Porém, assim como as mulheres, os negros, os indígenas tiveram de lutar pelos seus direitos, também a Terra, a Natureza e os demais seres estão esperando que seus direitos sejam reconhecidos, e depende de nós, seres dotados de entendimento, de sentimentos e de consciência, defendermos tais direitos. “A criação aguarda ansiosamente a manifestação dos filhos de Deus” (Rm 8, 19). Toda a criação é um todo evolucionário universal, forma uma comunidade de vida. 

Oração pelo Sínodo para a Amazônia
Deus Pai, Filho e Espírito Santo,
Iluminai com a vossa graça a Igreja que está na Amazônia.
Ajudai-nos a preparar com alegria, fé e esperança o Sínodo Pan-Amazônico:
“Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”.
Abri nossos olhos, nossa mente e coração
Para acolhermos o que vosso Espírito diz à Igreja na Amazônia.
Suscitai discípulas e discípulos missionários,
Que, pela palavra e o testemunho de vida,
Anunciem o Evangelho aos povos da Amazônia,
E assumam a defesa da terra, das florestas e dos rios da região,
Contra a destruição, poluição e morte.
Nossa Senhora de Nazaré, Rainha da Amazônia, intercedei por nós,
Para que nunca nos faltem coragem e paixão,
Lado a lado com vosso filho Jesus.
Amém!

Postagens mais visitadas deste blog

O cuidado é um modo de ser

Hoje a Terra está ameaçada, como também a vida como um todo, devido às formas predatórias do tipo dominante de desenvolvimento que criou o aquecimento global. Será que há solução? Sim, há solução.  Nós podemos regenerar a terra, com padrões de produção que protejam as capacidades regenerativas da Terra; erradicar a pobreza; dar acesso universal à educação, ao cuidado da saúde; assegurar a dignidade humana, a saúde corporal e o bem-estar espiritual, dando especial atenção ao povo indígena e às minorias; promover uma cultura de tolerância, de não violência e de paz. Com essas medidas, nosso tempo será lembrado pelo despertar da celebração da vida. Na Terra não haverá mais lugar para o empobrecimento, para a guerra.
O primeiro passo é voltar à experiência base do ser humano que é o sentimento, o afeto, o cuidado que nos diz que a existência  jamais é pura existência e sim uma coexistência, “sentida e afetada pela ocupação e pela preocupação, pelo cuidado e pela responsabilidade no mundo co…

Mantenha a fé


meio em que vivemos traz consigo discussão e discórdia, mas, apesar de tudo, o justo viverá por sua fidelidade. 
Paulo, em algumas de suas cartas, pede para mantermos a fidelidade. Em qualquer coisa que formos construir, só com a perseverança e a fidelidade chegaremos ao final. A fé e a esperança são sempre o melhor caminho, não se pode deixar perder ou morrer a fé e a esperança em Deus primeiramente e, depois, no próprio ser humano. É verdade que há pessoas que se deixam corromper pelo mal, mas é também verdade que muitos lutam por um mundo melhor, dedicam-se para o bem, realizam o bem. Deus tudo conduz, apesar da desobediência humana, Deus está nos acompanhando, está nos conduzindo quando atravessamos as tormentas. Ele, com a sua misericórdia, não nos abandona. 


Não diferente de nós, os discípulos que caminhavam com Jesus sentem que, em alguns momentos, a fé pode falhar; são tentados, sentem fraqueza. Os discípulos, vendo essa dificuldade, pedem a Jesus que lhes aumente a fé, que nã…

Sensibilidade ecológica

Já reparou na nossa capacidade de reconhecer o valor das outras criaturas, que nos dá a capacidade de colocar limites em nossos interesses para evitar sofrimentos aos outros? Para o Papa Francisco, “a atitude basilar de se autotranscender, é a raiz que possibilita todo cuidado dos outros e do meio ambiente” (LS 208). Podemos superar o individualismo e desenvolver um estilo de vida alternativo, que torna possível uma mudança na sociedade (cf. LS 208).
Convido você a deixar crescer em seu coração a sensibilidade ecológica. Manifestar essa sensibilidade que está em você e lutar pelo meio ambiente, mesmo em meio ao contexto de altíssimo consumo e bem estar que vivemos hoje em dia desafiando o nosso propósito de opção radical por novos hábitos. Assim, o Papa acredita que estamos diante de um desafio educativo (cf. LS 209).

Podemos com a educação ambiental criar uma consciência crítica ao “mito” da modernidade de um progresso ilimitado, sustentado pelo mercado e pelo consumismo. O que podemos…

Podcast Sabor da Fé