Pular para o conteúdo principal

Compromisso ecológico - Parte 2


“Que generoso sois, Senhor,
com todos os que vos procuram.
Saís a nosso encontro
nas maravilhas com que adornastes
toda a criação.
Com que prazer vos deixais 
buscar em vossos vestígios
que são as criaturas” 
(St. Afonso - O trato familiar com Deus)



A humanidade sempre entendeu a Terra como algo vivo. Mas nos últimos séculos, dentro da cultura do capital, foi vista como um reservatório de recursos a serem explorados, não lhe reconhece nenhuma sacralidade, induzindo, ainda, o ser humano a ver a Terra como um objeto, fazendo, com isso, que ela deixe de ser amada.
A questão toda não é só econômica, é mais profunda, é moral e espiritual. Precisamos estabelecer uma outra relação com a natureza, “sentindo-nos parte dela e vivendo a inteligência do coração, que nos faz amar e respeitar a vida em cada ser”. “Se quisermos conviver humanamente, precisamos de outro estilo de habitar o planeta Terra, que tenha como centro a vida, a humanidade e a Mãe Terra”. A ética deve visar ao outro, mas não a qualquer outro, mas ao que é pobre e excluído, ao negro, ao indígena, à mulher oprimida, aos discriminados pelos mais variados preconceitos. Escutar a voz desses que gritam por socorro é mostrar a consciência de que precisamos. 
O Papa Francisco alerta que o meio ambiente está indefeso face aos interesses do mercado que se tornaram regras absolutas (cf. LS 56). As agressões ambientais recaem mais sobre as pessoas pobres. O esgotamento das águas prejudica especialmente as pessoas que vivem da pesca artesanal e não possuem nenhuma maneira de substituir sua fonte de renda. A poluição da água atinge aquele que não tem possibilidade de comprar água e a elevação do nível do mar atinge o povo que vive na região costeira e não tem recurso para se transferir (cf. LS 48).
Ao invés de buscar resolver os problemas dos pobres e pensar em um mundo diferente, alguns governantes se limitam em propor o controle de natalidade. O que se deve propor é uma mudança que limite o consumo exacerbado. Uma minoria se julga com o direito de consumir uma proporção que o planeta não dá conta de conter os resíduos derivados desse consumo. Muitas vezes, nem nós humanos estamos dando conta de acompanhar aquilo que produzimos, pois desperdiçamos, um terço do alimento que produzimos, enquanto muitos sofrem com a miséria (cf. LS 50).

Orar a partir da natureza com Santo Afonso

Quando vires os rios correrem para o mar sem se deterem, pensa que assim deves correr tu para Deus, teu único bem. 

Quando ouvires o canto dos pássaros, dize para teu coração: - Ouve como estes animaizinhos louvam ao Senhor! E eu? Louva-o com atos de amor. 

Quando vires os vales fertilizados pelas águas que descem das montanhas, pensa que, do mesmo modo, descem do céu as graças sobre os corações humildes…

Quando teu olhar descansar sobre o mar, pensa na imensidade e na grandeza de Deus…

Quando contemplares a campina, as flores e os frutos que te alegram com sua beleza e perfume, exclama: Quantas maravilhas Deus criou para mim nesta terra para convidar-me a amá-lo, e quantas delícias me reserva no paraíso!

Quando contemplares o céu estrelado, pensa: Um dia terei a felicidade de caminhar sobre essas estrelas…

Quando vires a felicidade que demonstra um cachorrinho, agradecido pelo carinho e o alimento que seu dono lhe dá, pensa  que tu  deves maior felicidade ao Senhor que te criou, te conserva a vida e te cumula de dons.

Referência: 
BOFF, Leonardo. Cuidar da terra, proteger a vida: Como evitar o fim do mundo. Rio de Janeiro: Record, 2010.
Papa Francisco. Laudato Si - Louvado sejas (LS): sobre o cuidado da casa comum, Paulus: São Paulo, Loyola: São Paulo, 2015.

Ler Parte 1
Ler Parte 3

Postagens mais visitadas deste blog

Helena - Capítulo 1: Um jovem vai precisar da sua ajuda

Helena : Um Instrumento nas mãos de Deus
Capítulo 1: Um jovem vai precisar da sua ajuda
Eram 4h da manhã e Helena já estava acordada rezando. Ela meditava profundamente, enquanto seus lábios diziam as “ave-marias” do rosário de forma silenciosa. Desde criança, quando ainda descobria a fé de seus pais, teve uma grande experiência de Deus, algo que não sabia dizer o que era, mas que fez com que ela se apaixonasse por rezar. Estava acompanhando sua mãe que tinha ido participar da tradicional adoração do Santíssimo em uma quinta-feira. Foi quando na capela se fazia silêncio que ela escutou uma voz dentro de si, que enchia o seu ser e a fazia plena. Desejosa de repetir a experiência, ela rezava cada vez mais, ao ponto de um dia sua mãe falar que ela estava exagerando. Então ela rezava escondido da sua mãe. Mais tarde conseguiu entender que a sua experiência era de uma intimidade especial com o seu criador. E realmente sua relação com Deus era diferenciada, tinha iluminações, ideias, revelaçõ…

Uma vida de Fé

Jesus foi um homem de fé, o seu modo de viver era a sua fé. Ele dizia: “Eu vim para fazer a vontade do meu Pai”, Ele se via como sal e luz do mundo, a fé era a sua fonte de vida. Ele mostrou que ter fé é viver a esperança de um mundo melhor, traduzindo essa fé em obras, sendo perseverante em todos os momentos, dando a contribuição para que o mundo seja mais iluminado. Não importa se a escuridão é grande, mas eu devo tomar a decisão de ser luz. Isso me lembra a história do beija-flor que queria ajudar a apagar o incêndio na floresta: 


“Certo dia, houve um grande incêndio na floresta e todas as áreas foram cercadas por um fogo denso. Os animais, atônitos, não sabiam o que fazer e nem para onde correr. De repente, todos pararam e viram que o beija-flor ia até a margem do rio, mergulhava, pegava em seu bico algumas gotas de água, voava até o fogo e deixava a gotinha cair sobre as labaredas. O elefante, vendo aquilo, disse-lhe: “Você está louco? Acredita que esta simples gota pode apagar um…

Sensibilidade ecológica

Já reparou na nossa capacidade de reconhecer o valor das outras criaturas, que nos dá a capacidade de colocar limites em nossos interesses para evitar sofrimentos aos outros? Para o Papa Francisco, “a atitude basilar de se autotranscender, é a raiz que possibilita todo cuidado dos outros e do meio ambiente” (LS 208). Podemos superar o individualismo e desenvolver um estilo de vida alternativo, que torna possível uma mudança na sociedade (cf. LS 208).
Convido você a deixar crescer em seu coração a sensibilidade ecológica. Manifestar essa sensibilidade que está em você e lutar pelo meio ambiente, mesmo em meio ao contexto de altíssimo consumo e bem estar que vivemos hoje em dia desafiando o nosso propósito de opção radical por novos hábitos. Assim, o Papa acredita que estamos diante de um desafio educativo (cf. LS 209).

Podemos com a educação ambiental criar uma consciência crítica ao “mito” da modernidade de um progresso ilimitado, sustentado pelo mercado e pelo consumismo. O que podemos…