Pular para o conteúdo principal

Helena - Capítulo 3: O verdadeiro alimento


Helena
Um instrumento nas mãos de Deus

Capítulo 3: O verdadeiro alimento

            Chegou o grande momento da comunhão. Helena sempre se emociona. Para ela, esse mistério de amor é grandioso demais: saber que o próprio Deus quis se fazer pão, quis se rebaixar de sua grandeza e glória para ser pão que alimenta aquele que crê. Jesus, além de se fazer humano, pobre e frágil, quis ser pão. 
Ela entrou na fila, o coral entoava um lindo hino sobre a entrega de Jesus: “eu sou o pão da vida”, dizia a canção, fazendo com que ela ficasse ainda mais emocionada. Quando chegou a sua vez de receber a Eucaristia, ela não conteve as lágrimas. Voltou para o seu lugar e entrou em profunda oração, agradecendo ao Senhor por tão grande dádiva. Dizia não ser digna de recebê-Lo e pedia perdão pelos pecados cometidos. Depois começou a agradecer tentando conter a vontade de se prostrar no chão em adoração, pois estava tão plena de Deus, que sentia a presença Dele tomando todo o seu ser. 
Andrés não foi comungar, achou que não deveria, mas teve o desejo. Fechou um pouco os olhos e lembrou-se da sua Primeira Eucaristia. Na ocasião, ainda criança, não entendia muito bem o que se passava, apesar de ter recebido uma boa catequese. Há coisas que demoramos a assimilar, é preciso tempo e maturidade para entender a profundidade da fé. Apesar de não entender muito, ele estava feliz naquele dia, era de fato um momento especial que fazia a sua vida ter sentido. Era como se ele tivesse nascido para aquele momento da comunhão. Essa lembrança o emocionou.
            O padre deu a benção e a missa terminou. Andrés e Helena continuaram sentados, enquanto todos estavam se retirando. Depois de um pequeno intervalo, Helena resolveu dirigir a palavra ao Andrés. 
Olá, rapaz! Qual é o seu nome?
                Andrés ele respondeu.
Hoje eu estou aqui por sua causa. 
Como assim? ele indagou um pouco surpreso.
Hoje de manhã, eu estava rezando em meu quarto, quando senti que o Senhor queria que eu viesse para este santuário me encontrar com você.
Andrés olhou dentro dos olhos daquela mulher gentil, sentiu que ela falava de forma séria e com grande convicção. E aquele olhar penetrava sua alma, enchendo-o por dentro. Ele, então, resolveu se abrir.
Estou aqui depois de muito tempo disse Andrés –, quando criança, encontrei neste Santuário algo que me faz falta hoje, não sei exatamente o que é, talvez seja saudade daquele tempo, mas não sei se é só isso. 
Com certeza não é só saudade, Andrés! respondeu Helena com entusiasmo e um grande sorriso no rosto. O que você sentiu foi o seu coração clamando pelo Senhor. E eu tenho algo para te dizer: Ele também deseja muito encontrar-se com você. Na verdade, o que Ele realmente quer é ser o seu verdadeiro alimento. 
Andrés permaneceu em silêncio. De certa forma, o que aquela mulher dizia parecia fazer sentido, pois no fundo ele também já sabia, mas não tinha coragem de admitir para si mesmo. 
O que devo fazer? perguntou Andrés.
Apenas deixe Deus agir em seu coração, Ele vai tomar conta de tudo. Vamos rezar um pouco respondeu ela. 
Então, Helena pegou as mãos de Andrés, fechou os olhos e pediu que ele fechasse também. E rezou em voz alta: 
Senhor, aqui está o Andrés. Ele deseja ter o coração preenchido com a tua presença, não quer mais sentir-se só. Apenas Tu, Senhor, pode mostrar o sentido do seu viver e dar a ele a verdadeira alegria e a verdadeira paz. Como escutamos no Evangelho: “Do que adianta ganhar o mundo, mas perder a própria vida?” O Andrés não quer mais ver a vida passar sem sentido, por isso te pedimos que abra e preencha novamente o coração desse jovem para o teu amor, que é imenso. Obrigada, Senhor, porque sei que nos ouve.
Andrés já estava chorando ao ouvir aquelas lindas palavras que brotavam da oração de Helena, pois elas eram como flechas que iam no fundo de sua alma. Então ele acreditou que ela realmente tinha sido enviada por Deus. Ele não conseguiu falar nada, somente quis abraçá-la. E ali ficaram por um longo período. 
Aquele dia marcou a vida de Andrés. Algo mudou. Ele passou a rezar e a mergulhar cada vez mais na fé, enchendo a sua vida de sentido e Helena continuou dando apoio ao jovem, ajudando-o a enfrentar o desafio de cultivar a fé. 

FIM

Postagens mais visitadas deste blog

O cuidado é um modo de ser

Hoje a Terra está ameaçada, como também a vida como um todo, devido às formas predatórias do tipo dominante de desenvolvimento que criou o aquecimento global. Será que há solução? Sim, há solução.  Nós podemos regenerar a terra, com padrões de produção que protejam as capacidades regenerativas da Terra; erradicar a pobreza; dar acesso universal à educação, ao cuidado da saúde; assegurar a dignidade humana, a saúde corporal e o bem-estar espiritual, dando especial atenção ao povo indígena e às minorias; promover uma cultura de tolerância, de não violência e de paz. Com essas medidas, nosso tempo será lembrado pelo despertar da celebração da vida. Na Terra não haverá mais lugar para o empobrecimento, para a guerra.
O primeiro passo é voltar à experiência base do ser humano que é o sentimento, o afeto, o cuidado que nos diz que a existência  jamais é pura existência e sim uma coexistência, “sentida e afetada pela ocupação e pela preocupação, pelo cuidado e pela responsabilidade no mundo co…

Mantenha a fé


meio em que vivemos traz consigo discussão e discórdia, mas, apesar de tudo, o justo viverá por sua fidelidade. 
Paulo, em algumas de suas cartas, pede para mantermos a fidelidade. Em qualquer coisa que formos construir, só com a perseverança e a fidelidade chegaremos ao final. A fé e a esperança são sempre o melhor caminho, não se pode deixar perder ou morrer a fé e a esperança em Deus primeiramente e, depois, no próprio ser humano. É verdade que há pessoas que se deixam corromper pelo mal, mas é também verdade que muitos lutam por um mundo melhor, dedicam-se para o bem, realizam o bem. Deus tudo conduz, apesar da desobediência humana, Deus está nos acompanhando, está nos conduzindo quando atravessamos as tormentas. Ele, com a sua misericórdia, não nos abandona. 


Não diferente de nós, os discípulos que caminhavam com Jesus sentem que, em alguns momentos, a fé pode falhar; são tentados, sentem fraqueza. Os discípulos, vendo essa dificuldade, pedem a Jesus que lhes aumente a fé, que nã…

Sensibilidade ecológica

Já reparou na nossa capacidade de reconhecer o valor das outras criaturas, que nos dá a capacidade de colocar limites em nossos interesses para evitar sofrimentos aos outros? Para o Papa Francisco, “a atitude basilar de se autotranscender, é a raiz que possibilita todo cuidado dos outros e do meio ambiente” (LS 208). Podemos superar o individualismo e desenvolver um estilo de vida alternativo, que torna possível uma mudança na sociedade (cf. LS 208).
Convido você a deixar crescer em seu coração a sensibilidade ecológica. Manifestar essa sensibilidade que está em você e lutar pelo meio ambiente, mesmo em meio ao contexto de altíssimo consumo e bem estar que vivemos hoje em dia desafiando o nosso propósito de opção radical por novos hábitos. Assim, o Papa acredita que estamos diante de um desafio educativo (cf. LS 209).

Podemos com a educação ambiental criar uma consciência crítica ao “mito” da modernidade de um progresso ilimitado, sustentado pelo mercado e pelo consumismo. O que podemos…

Podcast Sabor da Fé