Pular para o conteúdo principal

Helena - Capítulo 2: A vida está passando depressa demais


Helena
Um instrumento nas mãos de Deus
 Capítulo 2: A vida está passando depressa demais

Helena estava bem concentrada na missa, prestava muita atenção em cada gesto e em cada palavra do rito, talvez porque conseguisse sentir que a missa era o Céu na Terra. Ela aprendeu que “a liturgia é a parusia contemplada antes do tempo”. Poucos católicos conseguem fazer o elo entre a missa e a realização da plenitude dos tempos. A missa é a apresentação do banquete das núpcias do Cordeiro, vai-se ao Céu quando vamos à missa, independente da qualidade da música ou da inspiração do padre.
Suas orações estavam voltadas para o jovem que estava ao seu lado. Ainda não sabia nada sobre ele, apenas que deveria ajudá-lo. Quando o leitor se dirigiu ao ambão para fazer a Primeira Leitura, ela ficou ainda mais atenta, pois era o momento da Palavra do Senhor e aquelas palavras, com certeza, iriam apontar para a direção a que ela deveria ir. Os textos bíblicos são o caminho principal para quem deseja saber a vontade de Deus. Ter ouvidos de discípulo é o primeiro passo para quem quer ser envolvido com a força do Senhor. Por isso Helena gostava de acompanhar a liturgia do dia. Bem cedinho, na oração da manhã, meditava as Leituras, o Salmo e o Evangelho e, assim, todo o seu dia era iluminado por aquela Palavra meditada. Era como um alimento que lhe oferecia energia para fazer a vontade divina. Quando alguém lhe pedia alguma orientação, a primeira coisa que fazia era ler as leituras do dia com a pessoa. 
O Canto de Aclamação começou a ser entoado, todos ficaram de pé e o padre se dirigiu ao ambão para proclamar o Evangelho: “Se alguém quiser me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. Pois quem quiser salvar a sua própria vida, vai perdê-la; mas quem perder a sua vida por causa de mim, vai salvá-la. E que proveito tem o homem em ganhar o mundo inteiro, mas perde a sua vida?” Depois de ouvir essas palavras, Helena fechou os seus olhos e, ao mesmo tempo em que ouvia a homilia do padre, concentrava-se naquele jovem ao seu lado.
Andrés era o nome do rapaz. Não frequentava a igreja, mas tinha sido batizado e chegou a frequentar a Catequese quando criança, fez a Primeira Comunhão, mas depois disso abandonou completamente a religião. Passou a juventude sem a vivência da fé.  Entrou para uma universidade, cursou Psicologia e estava começando a atender clinicamente alguns pacientes e tudo estava indo bem, exceto quando, às vezes, acordava e sentia que sua vida estava passando depressa demais; sentia como se precisasse fazer algo, como se estivesse perdendo tempo. 
Naquela manhã, ao acordar, ficou um tempo olhando para o teto do seu quarto e novamente vieram ao seu pensamento aqueles questionamentos sobre a sua vida. 
Olhou para o crucifixo pendurado na parede ao lado da sua cama e percebeu que há muito tempo não dava atenção para ele. Começou a pensar  em Deus. 
“Deus não faz parte do meu mundo”, refletiu ele. 
Aquela cruz era apenas um adereço para enfeitar o quarto, nem se lembrava de como ela foi parar ali. O fato é que somente agora aquele crucifixo estava chamando a sua atenção e, de certa forma, questionando a sua vida. Ele acreditava na existência de Deus, acreditava em Jesus Cristo, mas até então essa fé não o tinha interpelado ou afetado o seu viver.
Olhou para o relógio, eram seis e dez, sabia que no Santuário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro havia missas todos os dias pela manhã, mas não tinha certeza do horário. Pegou o seu celular que estava no criado e pesquisou na Internet. Viu que a missa era às sete horas. 
“Será que deveria ir?”, pensou ele. 
Olhou mais uma vez para o crucifixo e decidiu que sim. Na verdade, ele sentiu uma necessidade de ir. Havia como uma angústia em seu peito que precisava de resposta. 
Levantou-se e se arrumou rapidamente, não quis nem tomar café para não se atrasar. Chegou ao Santuário em cima da hora, a missa já estava começando.

As mais rezadas desta semana

És o Deus da Ressurreição

A ti, Senhor, todo o louvor! Mesmo que a morte me amedronte, vou lembrar: és o Deus da Ressurreição.
A imagem de tantos caixões, consequência desta peste, causa comoção, mas eu tenho a força da fé: és o Deus da Ressurreição.
Assim fala o Senhor Deus: "Ó meu povo, vou abrir as vossas sepulturas e conduzir-vos para a terra de Israel; e quando eu abrir os vossos túmulos e vos fizer sair delas, sabereis que eu sou o Senhor."
Aqui estamos, Senhor!  Que o medo não tome o nosso coração. O povo espera tua graça,  vem logo nos salvar.
Sei que embora nosso corpo  esteja ferido de morte, nosso espírito está cheio de vida,  pois o teu Espírito mora em nós.
Eu creio mais que tudo: isso vai passar, não estamos sozinhos, estás sempre conosco,

Amo e ofereço a minha dor

Tu Senhor sofreste e morreste  sem deixar de amar. Mesmo com o corpo chagado,  louvaste o teu pai em teu coração.  Sofrer amando: eis o desafio!
Confesso que a angústia invade o meu peito, não posso negar, mas mantenho a minha esperança. 
Na minha frente só vejo escuridão,  mas continuo confiando que verei a tua luz.
Meu amor por ti não será atingido,  esse deve ser meu único apego. Confio também que me amas apesar dos meus pecados e sei que nunca irás me abandonar.
Por isso continuarei caminhando. Mesmo sofrendo, mesmo sem saber por onde andar, confio, e isso basta. Amo e ofereço a minha dor.

Em tuas mãos, Senhor

O destino de todo discípulo  é o mesmo do mestre. Ajuda-me, Senhor,  a abraçar a minha cruz  como tu fizeste, ajude-me a entregar  a minha vida nas mãos do Pai.
Quem quer te seguir  escolhe sofrer e amar, uma espada de dor  atravessou o coração de Maria. É preciso abraçar a cruz para te seguir. 
No sofrimento  devo amar-te ainda mais, não é verdadeiro  quando se ama só na alegria. 
É no sofrimento  que devo reforçar a minha fidelidade,     esse é o verdadeiro momento da minha entrega. Em tuas mãos, Senhor,  coloco a minha vida.
Amém.

Pedimos a tua benção

Meu Deus,  o mundo está doente, muitos já morreram, e o povo está com medo.

O Papa nos convida a rezar
e pedir a tua benção, ele nos lembra que tu estás sempre conosco.
Fortalece a nossa fé, Senhor, só temos a ti! Diante de tua cruz,  pedimos tua misericórdia e, contemplando o rosto sofrido de Maria, clamamos a tua compaixão.

Sim, somos pecadores, mas o teu amor é maior, por isso pedimos a tua benção.

Unidos ao nosso Papa,  confiamos na força da tua eucaristia, adoramos este mistério  da tua presença no pão partilhado que nos revela o teu amor.

Por isso te pedimos  a tua benção,  o teu perdão  e proteção.

Amém!

A despedida

Tu és, Senhor, aquele que tudo conduz e meu destino está em tuas mãos. Nada acontece fora de tua presença, estás em todos os lugares. 
Uma flor foi esmagada, e tu estavas lá, acompanhando.
A flor, ainda vistosa e cheia de vida, se entregou a ti.
Despediu-se cedo,  esse fato é triste. Poderia embelezar o mundo  por mais tempo, mas cumpriu o que deveria.
Está agora em tuas mãos, porém, ainda embelezando  o olhar daqueles  que um dia puderam vê-la.
Que eu possa entender este mistério: que tudo para ti irá voltar, mas nunca irá terminar.
Amém.

Socorrei-nos, ó Maria

(pedido pelo fim da pandemia)
Maria Santíssima, que nas Bodas de Caná  estivestes atenta à necessidade dos noivos e para eles alcançastes o socorro de vosso Filho, pedimos agora a vossa poderosa intercessão.

Mãe amável, que diante da cruz  estivestes, junto a Jesus,  atenta aos sofrimentos de vosso Filho amado, olhai também para nós, vossos filhos, e intercedei ao Senhor de misericórdia, para que nos livre desse mal  que atinge toda a humanidade.

Mãe bondosa, que socorrestes vosso Filho em aflição, assim como neste ícone que veneramos, vos pedimos que acolhei também a nós, temerosos diante do mal que nos cerca.

Protegei-nos, amparai-nos,  e consolai-nos, ó amabilíssima  Mãe do Perpétuo Socorro. 

Amém

És, Senhor, a minha fortaleza

Senhor, que o amor e a fidelidade  sejam escritos em  meu coração  para que a tua luz  conduza todos os meus passos.

No teu coração, Senhor, eu quero estar, Esse é o meu lugar por herança,  é onde eu encontro a minha alegria.  És, Senhor, a minha fortaleza,  a casa bem defendida que me salva.

Assenta-te ao meu lado, falou o Senhor, e manterá tua palavra: serás sacerdote para sempre.

Eu amo o Senhor e vencerei meus inimigos, 
O Senhor mesmo garantiu.  Confiarei em Ti,  És meu  auxílio e escudo. 

A provação me libertou,  agora sigo firme tua lei,  aprendi a tua vontade.

Estendeu tua mão para mim  e me retirou de um charco de lama,  colocou os meus pés sobre a rocha  e devolveu a firmeza a meus passos.

Uma vida de Fé

Jesus foi um homem de fé, o seu modo de viver era a sua fé. Ele dizia: “Eu vim para fazer a vontade do meu Pai”, Ele se via como sal e luz do mundo, a fé era a sua fonte de vida. Ele mostrou que ter fé é viver a esperança de um mundo melhor, traduzindo essa fé em obras, sendo perseverante em todos os momentos, dando a contribuição para que o mundo seja mais iluminado. Não importa se a escuridão é grande, mas eu devo tomar a decisão de ser luz. Isso me lembra a história do beija-flor que queria ajudar a apagar o incêndio na floresta: 


“Certo dia, houve um grande incêndio na floresta e todas as áreas foram cercadas por um fogo denso. Os animais, atônitos, não sabiam o que fazer e nem para onde correr. De repente, todos pararam e viram que o beija-flor ia até a margem do rio, mergulhava, pegava em seu bico algumas gotas de água, voava até o fogo e deixava a gotinha cair sobre as labaredas. O elefante, vendo aquilo, disse-lhe: “Você está louco? Acredita que esta simples gota pode apagar um…

A verdade vos fará livres

Letra do samba da Mangueira 2020
Mangueira Samba que o samba é uma reza Se alguém por acaso despreza Teme a força que ele tem Mangueira Vão te inventar mil pecados Mas eu estou do seu lado E do lado do samba também Eu sou da Estação Primeira de Nazaré Rosto negro, sangue índio, corpo de mulher Moleque pelintra do Buraco Quente Meu nome é Jesus da Gente Nasci de peito aberto, de punho cerrado Meu pai carpinteiro desempregado Minha mãe é Maria das Dores Brasil Enxugo o suor de quem desce e sobe ladeira Me encontro no amor que não encontra fronteira Procura por mim nas fileiras contra a opressão E no olhar da porta-bandeira pro seu pavilhão Eu tô que tô dependurado Em cordéis e corcovados Mas será que todo povo entendeu o meu recado? Porque de novo cravejaram o meu corpo

Apenas a minha fidelidade

Irei me esvaziar  para que o amor do Senhor preencha todos os espaços.  Ele é meu verdadeiro tesouro e não os prazeres e riquezas desse mundo.  Retirarei os ídolos e suas tendas do meu coração. Saiam deste lugar que não é de vocês! Quem confia em Deus,  é envolvido pela graça e pelo perdão.

O Senhor sempre ouve aqueles que fazem a sua vontade,  o temem e observam os seus preceitos. Ó Deus, atendei a minha oração  e conservai na fidelidade o vosso servo. Pois para Vós eu fui separado e reservado.

O Senhor me ama, e eu amo o Senhor. Ele se torna íntimo daqueles que nele confiam e o temem. A aliança com o Senhor é o que mais quero, basta a minha fidelidade e dos inimigos Ele me defenderá, a unção será renovada, basta confiar.

O Senhor se entrega nas mãos daqueles que têm fé e confiança.  A mulher hemorrágica recebeu o poder de Jesus sem que ele desse permissão,  uma força saiu dele. A mulher pagã, não merecedora,  demonstrou tanta fé que o que ela queria já tinha acontecido, uma força saiu dele.